Especialistas ensinam como é possível arcar com as despesas escolares da criança sem causar grandes estragos no orçamento

Assim que a gravidez é confirmada, a família começa a fazer muitos planos para o futuro da criança. No entanto, pouca gente lembra que, juntamente com os projetos, vêm os boletos. Eles ficarão ainda mais salgados com o passar dos anos, à medida que a vida escolar do pequeno avançar, por exemplo. Se o planejamento financeiro começar cedo e houver disciplina, será possível atender, com tranquilidade, a necessidades como educação, saúde e lazer. “Assim que o bebê nascer, comece a colocar dinheiro na conta”, aconselha o consultor Augusto Sabóia, de São Paulo. O especialista afirma que, mais importante do que escolher o tipo de investimento, é fundamental incorporar ao seu cotidiano a prática de poupar. “A família deve resistir à tentação de exagerar com gastos em roupas e brinquedos na primeira infância”, aconselha Sabóia.

 

Para Luiz Jurandir de Araújo, professor da Universidade de São Paulo (USP) e consultor da Fipecafi, é imprescindível que as famílias foquem seus investimentos no capital intelectual do filho. “Os pais devem garantir uma boa escola no presente e, paralelamente, poupar pensando nos estudos”, afirma. Além disso, nem passa pela cabeça de muitas pessoas a ocorrência de situações como um eventual desemprego, uma doença ou mesmo a possibilidade de a criança ficar órfã. Por isso, Araújo recomenda que a família faça sempre um seguro de vida, ao menos para um dos pais. “Na nossa sociedade, em que as pessoas têm filhos cada vez mais tarde, é preciso pensar nessa forma de proteção”, afirma.

 

Se você já está convencida de que deve poupar, então é hora de escolher onde vai colocar o dinheiro. Nessa hora, é preciso buscar muitas informações sobre os produtos oferecidos no mercado e avaliar, com honestidade, qual a sua disposição em manter a aplicação. “Quem não tem um imóvel próprio, certamente, acabará recorrendo à poupança do filho em algum momento”, adverte Araújo. “Por isso, antes de começar a poupar, pense nos outros eixos que precisam ser ajustados para não cometer erros.”

 

Uma dica que vale para todos é fazer sempre um mix de investimentos, em vez de deixar todo o dinheiro em um único lugar, afirma Alexandre Assaf, professor de economia da Universidade de São Paulo e diretor do Instituto Assaf, na capital paulista. Assim, uma parte do pé-de-meia deve ficar sempre em algum produto de curto prazo, de maneira que, se houver algum imprevisto, o dinheiro possa ser sacado sem que haja a perda de rentabilidade. Outra sugestão é começar a guardá-lo na caderneta de poupança. “Só quando o volume crescer um pouco, ele deve ser destinado a um fundo de investimentos, que cobra taxas de administração mais caras para baixas aplicações”, explica Araújo.

 

Saiba que poupar não é apenas evitar torrar o dinheiro que sobra – porque, sejamos sinceros, ele raramente sobra. Por isso, é bom estabelecer uma meta fixa por mês, ainda que esse valor seja pequeno, e incluir esse item no orçamento mensal. Para que o objetivo seja cumprido, muitas vezes, será necessário deixar de consumir algo aqui e agora. Uma estratégia que o consultor Augusto Sabóia propõe para quem está estreando no mundo das finanças familiares é adotar a chamada escadinha financeira. Comece por um vidro de azeitona – grande e transparente, o que dá mais clareza do volume de dinheiro que está sendo acumulado. Quando o pote estiver cheio, ponha esse dinheiro na poupança – mas não pare de encher o vidro. Quando a poupança já somar algo como R$ 3 mil, transfira o montante para um fundo de renda fixa. Continue enchendo o vidro e transferindo o dinheiro para a poupança e, da poupança, para o fundo de renda fixa. Quando o fundo de renda fixa acumular um valor próximo a R$ 10 mil, passe esse dinheiro para um fundo de ações. E continue enchendo o vidro…

 

Entenda, a seguir, como funciona cada uma das aplicações que ajudam seu dinheiro a render.

 

1. Caderneta de poupança

Previsibilidade e facilidade de aplicação de baixas quantias de dinheiro, a qualquer momento do mês, são as principais vantagens dessa modalidade. Você pode destinar qualquer valor para a poupança, em qualquer momento do mês. O rendimento da caderneta de poupança é fixo: 0,5% ao mês (ou 6% ao ano) mais a variação da taxa referencial (ela é calculada diariamente pelo governo, mas fica muito abaixo da variação da inflação).

 

O retorno pode ser menor do que o de alguns fundos, mas a grande vantagem é a ausência de tributação e a taxa de administração. Além disso, o Fundo Garantidor de Crédito do governo assegura aplicações de até R$ 20 mil por CPF em caso de problemas com a instituição financeira onde são feitos os depósitos. Para quem não gosta de riscos e não dispõe de valores altos para a aplicação, é uma boa opção. Mas lembre: a poupança não tem liquidez diária e, por isso, sacar o dinheiro fora da data de aniversário significa perder o rendimento daquele mês.

 

2. Fundos de renda fixa

Embora seja uma aplicação considerada conservadora, os fundos de renda fixa não estão totalmente livres de risco e não têm uma rentabilidade previsível, como a poupança. Os recursos do fundo são destinados a títulos do Tesouro Nacional ou emitidos por bancos, como CDBs e debêntures. Esses títulos podem ser prefixados (a taxa é estabelecida no momento da compra do papel e permanece inalterada ainda que os juros de mercado oscilem) ou pós-fixados (pagam um porcentual da chamada taxa básica Selic, fixada pelo Banco Central, que hoje está em 8,75% ao ano. Portanto, eles acompanham o sobe e desce dos juros). Dessa maneira, é a composição do fundo que vai determinar como será sua rentabilidade. Em geral, o retorno é superior ao da poupança.

 

O problema é que no fundo o investidor paga uma taxa de administração – em alguns casos, ela pode superar 3% ao ano. Isso corrói uma parcela significativa dos ganhos e, dependendo do valor aplicado, poderá tornar o fundo menos atraente do que a poupança. Quanto menor o volume investido, mais o banco vai cobrar de taxa de administração. Por isso, os fundos costumam ser proibitivos para quem tem menos de R$ 3 mil. Além disso, o rendimento da aplicação é sujeita ao recolhimento de imposto de renda progressivo: as aplicações de até seis meses pagam alíquota de 22,5%; de seis meses a um ano, 20%; de um ano a dois, 17,5%; e, finalmente, acima de dois anos, 15%. Por isso, antes de escolher um fundo, peça simulações ao gerente, sempre observando a taxa de administração e tendo claro qual o prazo que esse dinheiro deverá permanecer aplicado.

 

FONTE: Bebe Abril

Related posts

Como é o lá fora que a gente quer?

Conexões genuínas entre as crianças e a natureza podem revolucionar o nosso futuro. Mas será que essa descoberta ainda é possível nos grandes centros urbanos do mundo? Evidências científicas apontam que a falta de contato com a natureza pode contribuir para problemas físicos e mentais. No novo capítulo de “O Começo da Vida”, os principais

Leia Mais

Dia Mundial da Alfabetização

O Dia Mundial da Alfabetização é celebrado desde 1967, no dia 8 de setembro. Esta data foi criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), com o objetivo de incentivar a discussão sobre o tema no mundo todo com ênfase em

Leia Mais

Dia dos Pais

Tributo a um pai gigante Como se mede a estatura de um pai? Com uma régua de dois metros? Meu pai media alguns centímetros, talvez quatro ou cinco, além de um metro e meio, mas tenho certeza de que era um gigante que se debruçava à noite, em minha cama, para ajeitar o cobertor e

Leia Mais