Como ensinar seu filho a se vestir sozinho

Enquanto a criança adquire a habilidade na prática, pais não precisam se preocupar com fantasias ou com desejo de usar roupas do outro sexo.

Se vestir sozinho faz parte do processo de amadurecimento da criança e é uma habilidade a ser estimulada e comemorada. Algumas atitudes são fundamentais para dar confiança e ajudá-los nessa fase de independência – além de evitar que os pais enlouqueçam quando os pequenos se embananam para colocar o uniforme da escola ou encasquetam com luva e gorro no auge do calor tropical.

O processo começa por volta dos dois anos. O primeiro passo, geralmente, é aprender a tirar as peças, meia, sapato e casaco. As crianças devem ser estimuladas. Comentários como “olha que coisa boa que você fez” são bem-vindos. “Por princípio a criança adora ser independente e fazer as coisas sozinha. Muitas vezes é o adulto que se antecipa e faz antes”, diz a psicopedagoga Ana Lisete Frontini Pereira Rodrigues, membro da comissão científica da revista Psicopedagogia.

As meninas começam antes e mais rápido. Elas têm uma ligação mais forte com o guarda-roupa, até mesmo pela questão da vaidade. Mas não só elas tomam a iniciativa de escolher o que querem vestir. Théo, de 4 anos, é filho da relações públicas Roberta Catani, 30 anos. Ele começou a querer se vestir sozinho no ano passado e com dois itens bem específicos: luva e gorro. Ele ama e usa em qualquer época do ano.

“Às vezes, ele põe até cachecol, mesmo com shorts e camiseta”, diz Roberta. Ela sempre tem de explicar para o filho que está quente e ele não precisa dos acessórios. Mas, se ele insiste, ela deixa. “O Théo se sente bonito e protegido assim. Os amigos comentam que ele tem luva. Não vale discutir e causar um estresse antes de ir para a escola. Se atrapalhar, ele tira”, explica.

A roupa certa na hora certa

Ana Lisete Frontini concorda com a tática de Roberta. Ela recomenda deixar a criança sair de roupa de calor no frio e vice-versa, para ela experimentar e perceber quais combinações funcionam. Como ninguém quer ver o filho passando calor ou pegando friagem, ela sugere levar um casaco ou blusa leve na bolsa, para quando ele mudar de ideia e admitir que sair com a blusa de lã em um dia quente não foi uma boa.

“A fase do guarda-roupa é a mais difícil”

“A fase do guarda-roupa é a mais difícil”, diz a arquiteta Carolina Mariutti, 36 anos, mãe de Camila, 5 anos, e Joana, 2. Quando Camila era menor só queria usar vestido, por mais que a mãe explicasse que estava frio. Para minimizar o problema, Carolina deixava a filha escolher entre três combinações pré-selecionadas e impunha uma condição: no inverno, a menina devia colocar camiseta de manga comprida por baixo.

A psicóloga Beatriz Guimarães Otero recomenda a estratégia de deixar a criança escolher entre “looks” prontos. Ela vai se sentir com liberdade para ter uma opinião e segura de estar fazendo a escolha certa. “Se vestir sozinho é um exercício de autonomia muito importante para a criança”, diz ela.

Ana Lisete lembra que se vestir sozinho não é um fato isolado. Está ligado ao processo de aprendizado da criança e ao prazer de conseguir fazer as coisas por si só. Neste sentido, pais e escola fazem trabalhos complementares. Como a escola de Théo está estimulando as crianças a escovar os dentes, pendurar a mochila e entrar na escola sozinhas desde o início do ano, Roberta percebeu que o processo de se vestir também caminhou muito rápido.

Armário de fantasias

“Deixo ele curtir esse mundo paralelo”

Théo adora fantasias e tem um armário cheio delas. Ele usa a de Homem Aranha para ir a todos os lugares. “As pessoas olham, comentam e ele se sente a pessoa mais linda do mundo. Ele até anda diferente”, diz a mãe. “Deixo ele curtir esse mundo paralelo”.

Mas mesmo para a fantasia há limites: para ir à escola ele não usa. “Isso está muito claro. Os amigos também não vão de fantasia, e ele entende”, diz Roberta.

FONTE: Delas IG

Related posts

Trilha Solidária

Há quase 20 anos, a Trilhas recebeu um pedido para ajudar a arrecadar alimentos para uma instituição de caridade. A vontade de ajudar e de ser solidário contagiou a escola e assim começou o projeto Trilha Solidária. A contribuição é voluntária e a arrecadação é feita da seguinte maneira: no começo de cada mês, a

Leia Mais

11 DE JUNHO TEM FESTA JUNINA NA TRILHAS

PROGRAMAÇÃO 9h às 12h30 – Festa Junina para os (as) alunos (as) do Ensino Fundamental I e II 14h às 17h30 – Festa Junina para os (as) alunos (as) da Educação Infantil Nosso arraiá está chegando! Para quem já participou noutros anos, é hora de recordar o quão especial este evento é para a comunidade

Leia Mais