Celular pode causar câncer no cérebro, diz OMS

No telefone fixo, por favor – “Por favor, pode me ligar no fixo?”. Assim o motion designer Everton Sebben (foto), 33 anos, atendeu a reportagem para a entrevista. Ele pesquisa há mais de um ano na internet os efeitos da radiação emitida pelos celulares, e isso mudou seu comportamento. “Antes dava o celular para o meu filho brincar, hoje evito. Peço que me liguem em casa, não vou ficar “fritando” minha cabeça”, diz ele, que se preocupa também com o telefone sem fio e o roteador wireless que tem em casa. “As ondas eletromagnéticas estão por toda parte, elas atravessam paredes, acredito que no futuro os governos terão de restringir o alcance das redes sem fio. As ondas vão se sobrepondo umas às outras e você fica o tempo todo submetido a isso”, diz.

Telefones celulares podem causar câncer. A conclusão está em um relatório divulgado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) ontem, na França, e vem ao encontro de hipóteses levantadas por diversos pesquisadores na última década. O estudo, realizado por uma equipe de 31 cientistas de 14 países analisou centenas de pesquisas sobre as consequências da exposição a campos eletromagnéticos, como os emitidos pelos aparelhos celulares. O relatório completo sai no dia 1.º de julho no site da revista científica The Lancet Oncology, internacionalmente reconhecida por reunir pesquisas da área oncológica.

Segundo o estudo da OMS, o uso de celular possivelmente leva a casos de glioma (um tipo de câncer no cérebro) e neuroma do acústico (um tumor benigno entre o ouvido e o cérebro).

No Brasil, que vive um mercado borbulhante no segmento de aparelhos celulares, com ofertas de planos para falar de modo ilimitado e incentivo à troca do telefone fixo pelo celular, a divulgação do resumo da pesquisa causa alvoroço. “A OMS demorou muito para lançar este alerta, um tempo importante se considerarmos que há mais de 5 bilhões de usuários de celulares no mundo”, diz o professor doutor Álvaro Augusto Almeida de Salles, da Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que pesquisa os efeitos biológicos das ondas eletromagnéticas desde a década de 1980. “Há na literatura científica internacional pesquisas que cobrem os efeitos de 8 a 10 anos de exposição à radiação de celulares por pessoas que usam mais de 30 minutos por dia – dando conta de que há entre eles maior probabilidade de tumores.”

No relatório, Christopher Wild, diretor da Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer da OMS, comenta que, dadas as consequências destas descobertas para a saúde pública, “é importante que pesquisas adicionais sejam conduzidas” e, dependendo das informações coletadas, seria importante tomar medidas que reduzissem a exposição.

Ubirani Barros Otero, chefe da área de vigilância do câncer relacionado a trabalho e ambiente do Instituto Nacional de Câncer (Inca), explica que no relatório o uso do celular teve risco classificado como 2B, o que significa que há evidências em estudos de que pode causar câncer, mas isso ainda não é definitivo. E que há outros fatores de risco, principalmente o genético. Para José Clemente Linhares, médico oncologista do Hospital Erasto Gaertner, a princípio o relatório não demonstra se foram considerados outros fatores, e que é importante aguardar com tranquilidade a pesquisa na íntegra. “Se houver alguma recomendação no sentido de reduzir ou, quem sabe, até de extinguir o uso de celular, a OMS com certeza irá se pronunciar e explicar os motivos desta medida”, diz.

O maior problema é usar o celular encostado na cabeça, diz o professor doutor Álvaro Augusto Almeida de Salles. E isso causa uma radiação bastante superior às normas menos restritivas existentes. “O problema é que os tumores cerebrais vão aparecer daqui a anos, pois o período de latência é de 8 a 10 anos”, diz. Para José Otá­vio Banzzatto, engenheiro eletricista e de telecomunicações da Copel, o mais danoso do celular “é que ele é um transmissor de ondas eletromagnéticas. O aparelho é uma micro-estação, com transmissor, antena e bateria”, diz.

Segundo o doutorando Claudio Fernandes, que desenvolve tese sobre o efeito do celular no cérebro humano na UFRGS, existem formas de se trabalhar com menos potência, e em outros tipos de mo­­dulação, menos agressivas e que esse reconhecimento da OMS talvez resulte em um ajuste técnico.

Saiba mais

Risco

Especialista em ondas eletromagnéticas condena o uso de telefones móveis por crianças

Segundo o professor doutor Ál­­varo Augusto Almeida de Salles, da Uni­­ver­si­­dade Fe­­deral do Rio Grande do Sul (UFRGS), que pesquisa os efeitos biológicos das ondas eletromagnéticas, a situação das crianças é mais crítica em relação ao uso de celulares. “Os telefones são inadequados a crianças porque são certificados pa­­ra modelos de adultos que pe­­sam 120 quilos e têm 1,95cm, ou seja, com uma ca­­beça muito maior do que a das crianças e jovens. Eles têm a cabeça, o cérebro e a espessura do crânio menor, e maiores parâmetros elétricos e de frequência na multiplicação das células, fatores que aumentam os níveis de radiação e, por consequência, a suscetibilidade a problemas.” Segundo o doutorando Claudio Fernandes, que desenvolve uma tese sobre o efeito dos celulares no cérebro, também na UFRGS, diz que, por este motivo, os jovens estão sobre-expostos a radiação. “Mesmo se considerarmos que o fabricante de celulares age de modo extremamente responsável.”

Segundo Ubirani Barros Otero, chefe da área de vigilância do câncer relacionado a trabalho e ambiente do Instituto Nacional de Câncer, França e Israel restringem o uso de celular para crianças e adolescentes até 16 anos. “Eles sabem que elas sofrem mais os efeitos dos raios não-ionizantes dos celulares, por isso o risco maior de câncer infantil.”

Prudência no uso

Dicas simples podem reduzir o impacto das ondas eletromagnéticas

– Não faça ligações maiores que 6 minutos e não fale mais do que 30 minutos diários.

– Use fones de ouvido ou viva-voz, que impedem o contato direto com o celular.

– Troque o lado ao atender ligações.

– Tome cuidado com telefones sem fio, que têm a mesma radiação do celular.

– Restrinja o uso de celulares por crianças e adolescentes, mais suscetíveis a problemas.

– Não use o celular como despertador, mantenha-o a pelo menos 2 metros da cabeceira.

– Em casa utilize telefone fixo, que usa baixas frequências.

FONTE: Gazeta do Povo

Related posts

Trilha Solidária

Há quase 20 anos, a Trilhas recebeu um pedido para ajudar a arrecadar alimentos para uma instituição de caridade. A vontade de ajudar e de ser solidário contagiou a escola e assim começou o projeto Trilha Solidária. A contribuição é voluntária e a arrecadação é feita da seguinte maneira: no começo de cada mês, a

Leia Mais

11 DE JUNHO TEM FESTA JUNINA NA TRILHAS

PROGRAMAÇÃO 9h às 12h30 – Festa Junina para os (as) alunos (as) do Ensino Fundamental I e II 14h às 17h30 – Festa Junina para os (as) alunos (as) da Educação Infantil Nosso arraiá está chegando! Para quem já participou noutros anos, é hora de recordar o quão especial este evento é para a comunidade

Leia Mais