Viagem à Castro

Viagem à Castro

 

Aula Passeio para Castro e Castrolanda

Nicholas Oliver e Turma do Tangolomango

 

No dia 2/10/2014 (quinta – feira), as turmas do Tangolomango e Brinca Brasil (5ºs anos), da escola Trilhas foram à Castro, uma cidade que surgiu com o tropeirismo. Visitaram o centro histórico da cidade onde se encontra a Igreja Matriz, o Museu do Tropeiro, a Casa da Sinhara, Fazenda Capão Alto, e depois foram para a Cooperativa Castrolanda, fundada por imigrantes Holandeses.

Durante a viagem usamos um mapa, bússola e acompanhamos com um GPS  a localização do nosso ônibus nas diferentes estradas, e  descobrimos que a cidade de Castro está no primeiro planalto, estando a 988 metros do nível do mar,  na Região Centro-Sul do Paraná. Observamos também diferentes tipos de vegetação, formas de relevo, plantações, criações de gado e passamos por algumas cidades como Campo Largo, Ponta Grossa, Carambeí e finalmente Castro.

A cidade foi construída em torno do rio Iapó, uma  palavra  Tupi  Guarani que significa  rio que alaga. Nessa região os tropeiros paravam para descansar devido ao rio e a pastagem.

Vimos em Castro a igreja de Sant’Ana construída no estilo barroco no ano de 1774. No altar as imagens são colocadas em pedestais em forma de escadas chamados de pagode, com colunas e enfeites chamados de rococó do estilo barroco, sempre organizados de forma simétrica. A Igreja tem lustres de cristal que foram doados por D. Pedro II e um sino de bronze que foi rachado em comemoração ao final da II Guerra Mundial.

A casa da Sinhara é um local onde foi montada uma exposição homenageando as mulheres que ajudaram a construir a cidade, esposas de tropeiros e fazendeiros locais, as sinhás. Lá podemos encontrar móveis, vestuário, talheres, enfeites, objetos, fotos antigas e etc.

O Museu do Tropeiro tem suas paredes construídas com o processo conhecido como  estuque, paredes com madeira e barro.  Lá encontramos objetos e peças expostas que tentam retratar a vida do tropeiro.

Depois fomos para  Castrolanda, uma colônia fundada por imigrantes holandeses que vieram para o Brasil em navios no ano de 1951.  Um grande número de holandeses desembarcou nos portos de Santos e Paranaguá e outros vieram nos anos de 1952, 1953 e 1954. Formaram a Colônia Castrolanda com a organização holandesa baseada no tripé: religião, trabalho e educação. O Rafael,  guia turístico do local, explicou que a Holanda faz parte dos países baixos, isto é, fica abaixo do nível do mar e é sete vezes menor que o estado do Paraná. Por esse motivo desenvolveram técnicas de irrigação e drenagem para o aproveitamento do solo, trazendo para a região de Castro essa tecnologia, aproveitando grandes áreas alagadas para o desenvolvimento da agricultura e pecuária.  Contou também que trouxeram muitos implementos agrícolas e gado leiteiro, mas muitos desses animais morreram por questões de adaptação com o clima e alimentação, ficando só a raça mais forte e muito produtiva. A atividade agrícola e a pecuária leiteira são predominantes na Colônia, sendo uma das mais importantes bacias leiteiras da região e com uma considerável produção de grãos, principalmente soja, feijão e trigo.

No ano de 2001, em comemoração a 50 anos da imigração holandesa, construíram um moinho igual a um existente na Holanda, e hoje é um ponto turístico da região. Também visitamos a casa do imigrante holandês, construída para mostrar seus costumes e hábitos diários, lá pudemos observar utensílios de cozinha, móveis, instrumentos musicais, roupas e até implementos agrícolas.

Nosso retorno para Curitiba foi um pouco demorado, pois havia um acidente na rodovia e ficamos parados por algum tempo, fora isso foi uma aula passeio inesquecível.

 

OS QUINTOS ANOS DA ESCOLA TRILHAS FORAM A CASTRO!!!

 

Na última quinta-feira, 2/10, as turmas do Tangolomango e Brinca-Brasil fizeram um passeio cultural para a cidade de Castro PR.

No caminho viram diversas formas de relevo muito bonitas e aproveitaram para estudá-las.

Os pontos turísticos visitados em Castro foram: A Igreja de Sant’Ana, Casa da Sinhara e Museu do Tropeiro.

Em Castrolanda conheceram o Moinho Holandês, onde almoçaram. Após o almoço,  visitaram o Museu do Imigrante e a Fazenda Capão Alto.

Turma Brinca-Brasil

Confiram as fotos!

[nggallery id=318]

Impactos Sexta Verde

Na Trilhas, aderimos à campanha mundial “Meet free monday”, que aqui no Brasil é conhecida

plugins premium WordPress