Ouça uma crônica de Stanislaw Ponte Preta

Neste podcast, a coordenadora pedagógica Jordana Botelho apresenta um de seus cronistas preferidos: Stanislaw Ponte Preta, pseudônimo do autor carioca Sérgio Porto (1923-1968).

Ouça abaixo uma crônica de Stanislaw Ponte-Preta apresentadas pela Jor. Esta será extraída do livro “Dois Amigos e um chato”.

ATIVIDADE PROFISSIONAL
Jornalista, radialista, televisista (o termo ainda não existe, mas a atividade dizem que sim), teatrólogo ora em recesso, humorista, publicista e bancário.
OUTRAS ATIVIDADES: Marido, pescador, colecionador de discos (só samba do bom e jazz tocado por negro, além de clássicos), ex-atleta, hoje cardíaco. Mania de limpar coisas tais como livros, discos, objetos de metal e cachimbos.
(…)

PANACÉIAS CASEIRAS
Quando dói do umbigo para baixo: Elixir Paregórico. Do umbigo para cima: aspirina.
SUPERTIÇÕES INVENCÍVEIS: Nenhuma, a não ser em véspera de decisão de Copa do Mundo. Nessas ocasiões comparativamente qualquer pai-de-santo é um simples cético.

TENTAÇÕES IRRESISTÍVEIS
Passear na chuva, rir em horas impróprias, dizer ao ouvido de mulher besta que ela não tão boa quanto pensa.
MEDOS ABSURDOS: Qualquer inseto taludinho (de barata pra cima).

ORGULHO SECRETO
Faz ovo estrelado como Pelé faz gol. Aliás, é um bom cozinheiro no setor mais difícil da culinária: o trivial.

 

Assinado, Sérgio Porto, agosto de 1963.”

Comentar