Pais que participam da educação dos filhos

Relatório publicado por organização de ativistas mostra que o envolvimento do pai afeta as crianças tanto quanto o envolvimento da mãe.
shutterstock_117189670-1024x605
A MenCare, organização ativista sobre paternidade que está presente em mais de 30 países, divulgou uma pesquisa intitulada O Estado dos Pais do Mundo, em tradução livre, que diz que filhos se tornam mais bem sucedidos e felizes quando seus pais participam de forma ativa em sua educação. O relatório divulgado recentemente também fala da importância da participação nas tarefas diárias das crianças.

 

As 288 páginas analisa quase 700 estudos de vários países e constata que os próprios pais também apresentam melhoras na saúde física e mental quando são mais presentes na vida dos filhos. “Quando os homens assumem um papel de cuidador, o envolvimento do pai afeta a criança da mesma forma que o envolvimento da mãe”, diz o relatório.

 

Para as crianças, os benefícios são grandes: há melhora no desenvolvimento cognitivo, no desempenho escolar e menores taxas de envolvimento com crimes ou atividades ilegais. A interação com o pai também é importante para desenvolver empatia e habilidades sociais em filhos e filhas. Mas atenção! A MenCare afirmou que não pretende que o relatório questione a relação entre mães e filhos ou coloque o papel da mãe em segundo plano: cada membro da família tem uma função importante e indispensável na formação dos filhos.

 

Saúde para pais e para filhos
O estudo também chegou a uma conclusão inesperada: o envolvimento na educação dos filhos interfere até na saúde dos pais. Quem participa mais da vida familiar é mais saudável e mais feliz, porque o envolvimento profundo com os filhos é uma das mais importantes fontes de bem-estar.

 

“Estudos mostram que pais que relatam conexões próximas e não violentas com os filhos vivem mais, têm menos problemas de saúde mental ou física, são menos propensos ao abuso de drogas, mais produtivos no trabalho e relatam ser mais felizes do que os pais que não têm esta conexão com os filhos”.
O documento também afirma que o maior envolvimento dos pais na educação incentiva as filhas a procurarem carreiras que normalmente são escolhidas por homens e incentiva os meninos a participarem mais dos serviços domésticos.

 

Esse novo estudo complementa outros relatórios divulgados anualmente pela organização Save The Children desde 1999, chamado Estado das Mães do Mundo, e pela Unicef com o nome de Estado das Crianças do Mundo, esse publicado desde 1996.

 

 

Related posts

Escolas começam a enfrentar déficit de natureza das crianças

Se alguma escola ainda tem grama sintética no parquinho é melhor arrancá-la imediatamente. Está tudo errado nessa ideia meio anos 1980 de se construir um ambiente artificial para que a criança não se suje enquanto brinca no intervalo. Primeiro, porque a brincadeira no pátio não é vista mais apenas como algo que o aluno faz

Leia Mais

Todas as escolas públicas de Nova York aderem à Segunda Sem Carne

Já está mais do que comprovado pela ciência de que uma das melhores maneiras de ajudarmos o meio ambiente éreduzir o consumo de carneou abraçar de vez a dieta vegetariana. Especialistas dizem que reduzir o consumo de carne vermelha é mais eficaz contragases do efeito estufado que deixar de andar de carro. Foi pensando nisso

Leia Mais