O papel dos pais para estimular a parceria entre eles

Confira 4 pontos fundamentais para colocar em prática aí na sua casa

shutterstock_39425848

Como agir na hora da briga

1. Respire fundo antes de reagir para não cometer injustiças e atender o que gritou mais alto, mas ficou o dia provocando, sem que ninguém visse.
2. Cuidado para não defender (sempre) o caçula com a ideia de que ele é mais frágil e exigir que o mais velho tenha sempre uma “postura exemplar”.
3. Deixe que eles se entendam, se a discussão não tiver chegado à agressão. É importante que aprendam a resolver o problema sozinhos.
4. Fale sobre a briga assim que ela terminar e mostre que tudo tem limite, que as pessoas são diferentes e que devemos aprender a negociar.

Amenize o ciúme

1. Crie situações para que eles trabalhem em equipe, como jogos ou brincadeiras.
2. Você pode sentir mais afinidade com um filho. Isso não deve ser confundido com amor. Não se sinta culpada, mas não mostre claramente sua preferência.
3. Se uma das crianças é tímida, não deixe que ela passe despercebida. Ela precisa da mesma atenção.
4. Sabe aquela crise de ciúmes que parece nunca terminar e começa a estressar toda a família? É hora de todo mundo brincar com massinha! Relaxa e solta a criatividade.

Cuidado com comparações

1. Reserve um tempo para ficar a sós com cada filho.
2. Quando estiver com um filho, não fale tanto sobre o outro.
3. Não negue atenção ao filho com quem você tem mais afinidades para compensar o outro.
4. Dê a cada filho a oportunidade de vivenciar alguns privilégios e responsabilidades do outro.
5. Faça com que cada filho saiba o que seus irmãos apreciam ou admiram nele.
6. Dividam-se: o pai passeia com um enquanto a mãe fica em casa com outro.

Meninos e meninas, juntos

1. Não divida os brinquedos, nem mesmo por sexo: eles vão exercer papéis e aprender a dividir.
2. Quando notarem a diferença física entre eles, trate do assunto com naturalidade. Podem dormir no mesmo quarto e até tomar banho ao mesmo tempo desde que a família se sinta à vontade.
3. Se precisar de ajuda para arrumar o quarto, por exemplo, peça aos dois com a mesma frequência.
4. Aproveite as diferenças: com as meninas, eles exercitam a sensibilidade; com os meninos, elas aprendem um olhar mais prático sobre a vida.

Fonte: Revista Crescer.

Related posts

Escolas começam a enfrentar déficit de natureza das crianças

Se alguma escola ainda tem grama sintética no parquinho é melhor arrancá-la imediatamente. Está tudo errado nessa ideia meio anos 1980 de se construir um ambiente artificial para que a criança não se suje enquanto brinca no intervalo. Primeiro, porque a brincadeira no pátio não é vista mais apenas como algo que o aluno faz

Leia Mais

Todas as escolas públicas de Nova York aderem à Segunda Sem Carne

Já está mais do que comprovado pela ciência de que uma das melhores maneiras de ajudarmos o meio ambiente éreduzir o consumo de carneou abraçar de vez a dieta vegetariana. Especialistas dizem que reduzir o consumo de carne vermelha é mais eficaz contragases do efeito estufado que deixar de andar de carro. Foi pensando nisso

Leia Mais