Exagero de cesáreas e a meta da ONU

 

Exagero de cesáreas impede Brasil de atingir meta da ONU

exagero-cesareas-brasil-meta-onu-560

Apesar de já ter cumprido dois dos oito Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) – redução da mortalidade infantil e redução da miséria e da fome -, o Brasil não cumprirá a tempo a meta que diz respeito à diminuição das mortes maternas. 

O principal motivo é o grande número de cesáreas que são realizadas sem necessidade no país, segundo o 5º Relatório Nacional de Acompanhamento, divulgado  pelo governo federal. 

“A realização indiscriminada de cesarianas envolve riscos desnecessários tanto para a mãe quanto para a criança, além de custos adicionais para o sistema de saúde”, diz o relatório.

No Brasil, o número de cesáreas vem aumentando nos últimos anos, correspondendo a quase 54% dos partos realizados em 2011.

A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é de que o total não passe de 15%.  

Apesar das mortes de mães terem diminuído de 142 para cada 100 mil nascidos vivos, em 1990, para 64 mortes, em 2011, a taxa de mortalidade materna não cairá o suficiente até 2015. 

O número estipulado para o Brasil nos Objetivos do Milênio é de apenas 35 óbitos a cada 100 mil nascidos vivos. 

As metas foram estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2000, com o apoio de 191 nações. Segundo a entidade, os outros países também não conseguirão baixar os índices de mortes de mães para três quartos do observado em 1990. 

Os oito Objetivos do Milênio da ONU são: acabar com a fome e a miséria; oferecer educação básica de qualidade para todos; promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres; reduzir a mortalidade infantil; melhorar a saúde das gestantes; combater a Aids, a malária e outras doenças; garantir qualidade de vida e respeito ao meio ambiente e estabelecer parcerias para o desenvolvimento.

Fonte: Planeta Sustentável.

Related posts