Deuses do Olimpo invadem a Escola Trilhas

O Projeto Mitologia Grega encantou, aguçou a imaginação e fantasia dos Sateré-mawés, durante o segundo trimestre na Escola Trilhas. Todo esse encantamento teve seu desfecho comemorado com um grande encontro dos deuses do Olimpo nos jardins da casa dos Hibiscus.

Compareceram ao evento várias deusas como Afrodite, Palas Atena, Hera, Ártemis, Éris e outros. Também contamos com a presença de Hermes, Dionísio, Hades, Apolo e outros personagens como o Minotauro, Psique e Penélope.

Tudo começou com a leitura compartilhada do livro Ilíada de Homero, na adaptação de Leonardo Chianca. A história conta que após os troianos sequestrarem a mais linda princesa grega Helena, acabam sendo atacados pelos gregos. Depois de anos de batalha os gregos conseguem vencer. Presentearam os troianos com um gigante cavalo de madeira (Cavalo de Troia). Dentro do cavalo havia centenas de soldados gregos que, de madrugada, saíram da barriga do cavalo e atacaram a cidade inimiga.

Com o fim da guerra, inicia-se a volta de Odisseu e seus companheiros para seu reino, em Ítaca (essa é outra história, também de Homero, que a turma dos Sateré-mawés leu). Odisseu é obrigado a ir à guerra de Troia e deixa para trás sua esposa e seu filho de um mês de idade, Telêmaco. A guerra dura 10 anos e seu regresso mais 17. A esposa Penélope, que acreditava na volta do seu rei e marido, estava sendo pressionada por um grupo de pessoas que queria tomar o poder. Esse grupo dizia que Odisseu estava morto e que ela deveria se casar com um dos “pretendentes” ao cargo de rei. Enquanto isso, Odisseu lutava contra os deuses para retornar a sua casa.

E foi assim que o 5º ano se interessou pela mitologia grega. A Grécia é considerada o berço da civilização ocidental e dela herdamos quase todas as artes e ciências aplicadas que conhecemos, como é o caso da astronomia, matemática, engenharia, arquitetura, direito, literatura, filosofia, entre outras.

Como forma de explicar os inúmeros mistérios da existência, os gregos deram origem a um conjunto de narrativas míticas que atravessaram séculos e mais séculos, e hoje chegam até nós, proporcionando-nos a sensação de não serem tão antigas ou longínquas quanto, a primeira vista, possam parecer.

Após essa longa viagem pelo tempo, visitando outras culturas e aprendendo sobre expressões que são usadas nos dias de hoje como “presente de grego”, “esforço hercúleo” e outras mais, foi difícil voltar à atualidade e por esse motivo a grande celebração em homenagem aos deuses.

Assim, os Sateré-mawés fantasiaram-se de deuses, deusas e personagens da mitologia que mais se interessaram, escreveram uma biografia sobre a personagem e apresentaram para os demais colegas da turma. No final, criaram quatro pequenas histórias com esses seres e encenaram pequenas peças de teatro com mímicas, mas narrado por um dos alunos. As apresentações improvisadas ficaram magníficas e divertidas.

Segundo depoimento dos alunos, esse projeto é a estrela do quinto ano.

Professora Cíndi Brand

Confiram algumas imagens!

 

Related posts

Escolas começam a enfrentar déficit de natureza das crianças

Se alguma escola ainda tem grama sintética no parquinho é melhor arrancá-la imediatamente. Está tudo errado nessa ideia meio anos 1980 de se construir um ambiente artificial para que a criança não se suje enquanto brinca no intervalo. Primeiro, porque a brincadeira no pátio não é vista mais apenas como algo que o aluno faz

Leia Mais

Todas as escolas públicas de Nova York aderem à Segunda Sem Carne

Já está mais do que comprovado pela ciência de que uma das melhores maneiras de ajudarmos o meio ambiente éreduzir o consumo de carneou abraçar de vez a dieta vegetariana. Especialistas dizem que reduzir o consumo de carne vermelha é mais eficaz contragases do efeito estufado que deixar de andar de carro. Foi pensando nisso

Leia Mais