Cães ajudam crianças na alfabetização

Que o envolvimento entre criança e cachorro é muito especial você já sabe. Mas essa relação vai além do carinho e do companheirismo. Um estudo realizado pela Escola de Medicina Veterinária da Universidade de Tufts, nos Estados Unidos, mostrou que, ao ler para cães em voz alta, as crianças melhoram a capacidade de leitura.

Para chegar a esse resultado, os pesquisadores dividiram os participantes em dois grupos. O primeiro deles leu para pessoas, o segundo grupo para cães. As leituras aconteceram durante trinta minutos uma vez por semana.

As crianças que leram para os animais melhoraram a capacidade de leitura quando comparadas àquelas que leram para pessoas. “Um terço das crianças do segundo grupo desistiu das leituras no meio do estudo, mas nenhum participante que estava lendo para os cães abandonou a pesquisa”, conta a veterinária Lisa Freeman, uma das autoras do estudo.

No ano passado, um outro estudo realizado pela Universidade Davis School de Medicina Veterinária e a Fundação Tony La Russa de Resgate de Animais de Walnut Creek, na Califórnia, já havia mostrado os benefícios de ler para os peludos. Os estudiosos analisaram o comportamento de crianças de 8 a 9 anos que já participavam de um programa de terapia assistida com animais chamado All Ears Reading Program (Programa Todo os Ouvidos para a Leitura, em tradução livre).

Durante 10 semanas, os estudantes leram em voz alta para três cachorros da Fundação uma vez por semana, por 15 a 20 minutos. O resultado foi positivo: a fluência na leitura melhorou 12% em estudantes regulares e 30% em crianças que estudam em casa, enquanto a velocidade aumentou cerca de 30 palavras por minuto. E 75% dos pais dos participantes notaram que seus filhos estavam lendo em voz alta com mais frequência e confiança.

Os benefícios dos cachorros no processo de leitura ficou evidente. Mas, por que eles são tão bons parceiros neste aprendizado? Com eles, a criança sente segurança de não ser criticada se falar alguma palavra errada. “Esse conforto deve-se ao fato de ela poder mostrar para ‘alguém’ que não tem essa habilidade o que pode fazer. Ela testa algo que não domina com ‘quem’ também não sabe”, diz Rita Calegari, psicóloga infantil do Hospital São Camilo (SP). Um dos participantes do estudo da Universidade Davis School disse aos pesquisadores: “Os cachorros não ligam se eu ler muito, muito mal, então eu simplesmente continuo lendo”.

Porém, mais importante que isso, ressalta Rita, é a relação ímpar e o amor incondicional que o cachorro pode ter com a criança. “Quando elas estão aprendendo coisas novas, em especial na etapa de alfabetização, é fundamental que tenham alguém amoroso ao lado, sem olhar feio se errar. E o máximo que o cão pode fazer é abanar o rabo ou querer comer um pedaço do livro”, diz.

FONTE: Revista Crescer

Posts relacionados