brincar

 

Brincar é fundamental para o desenvolvimento. Além dos benefícios físicos, os jogos em grupos e as brincadeiras individuais, como pular corda, estimulam o corpo e a mente, promovendo a criatividade, a habilidade social, o raciocínio e até o controle das emoções. Por isso, o ideal é adiar o quanto for possível a matrícula do seu filho em aulas extracurricularespara que ele tenha tempo de criar seus próprios passatempos. Afinal, ele poderá aprender informática, música e idiomas no futuro, mas só viverá a infância uma vez.

A brincadeira deve começar por volta dos 6 meses, quando o bebê passa a engatinhar atrás de objetos: os pais podem jogar brinquedos e incentivá-lo a alcançar. A partir dos 2 anos, a criança pode pedalar triciclos, com supervisão dos adultos. Entre 3 e 4, comece a introduzir bicicleta com rodinhas, para estimular o equilíbrio, e brincadeiras com bolas leves, para exercitar braços e pernas. Depois dos 5 anos, a criança passa a entender regras e pode participar de jogos coletivos, mas com colegas do mesmo tamanho, para não se machucar.

Os pais podem não perceber, mas têm o poder de incentivar o filho a se movimentar, encorajando – o a sair da frente das telas (smartphone, videogame, TV, tablet e computador) para brincar como antigamente. Sempre que tiver tempo, proponha um passeio no playground ou à quadra do prédio. Essa, aliás, é uma boa oportunidade para resgatar as atividades que marcaram sua infância e mexer o corpo. Vá com a família a parques, clubes ou praças para andar de bicicleta, patins, jogar queimada, brincar de pega-pega, amarelinha e o que a imaginação permitir. Se vocês moram na praia, incluam mar e areia na farra. Seu filho nem nota que, enquanto brinca, se desenvolve por completo. Mas de uma coisa ele se lembrará no futuro: como era divertida sua infância!

esporte

Esporte

É natural que você sonhe em torcer por seu filho em um jogo de futebol ou assistir à sua apresentação de dança. Mas não se apresse em inscrevê-lo em uma escola especializada.
O melhor é esperar que ele tenha maturidade para compreender regras e entender seu papel nessas dinâmicas, o que acontece por volta dos 6 anos. Nessa idade, você pode matriculá – lo na iniciação esportiva, para que tenha contato com diversas modalidades e descubra qual é a sua preferida. Geralmente, as crianças costumam pedir futebol, balé, ginástica artística e lutas, como judô e capoeira.

A natação é um caso à parte: trata-se de um ótimo exercício desde os primeiros meses de vida. Com a autorização do pediatra, seu filho pode frequentar as aulas a partir dos 3 meses, acompanhado de um responsável e do educador físico, em piscina coberta e aquecida. O bebê conserva o reflexo de imersão, ou seja, lembra-se de quando estava no útero e, por isso, sente segurança e liberdade. Aos 4 anos, a criança que já faz aulas começa a se virar sozinha na água e aprende vários tipos de nado.

O importante, independentemente do esporte escolhido, é cuidar para não haver sobrecarga. “Alteração de apetite, nervosismo, falta de paciência, piora do sono e queda da imunidade são indícios de exagero”, explica o médico Jomar Souza, da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte. O melhor, segundo ele, é escolher apenas uma modalidade por vez e fazer três aulas por semana, com uma hora de duração. Vale lembrar que é normal a criança querer mudar muitas vezes de atividade. Afinal, ainda está se conhecendo e deve ser incentivada a encontrar suas preferências.

Outra dica é não cobrar resultados excelentes. Isso desmotiva seu filho e pode criar traumas. Lembre-se de que uma das funções do esporte é ensinar às crianças sobre vitórias e derrotas, preparando-as para a vida.

Fonte: Revista Crescer

Related posts

Confiram como foi a 23ª Feira do Livro da Trilhas!

Nossa 23ª Feira do Livro, que aconteceu no sábado, dia 22/9, foi um sucesso! O dia estava lindo, muitas famílias presentes para acompanhar a programação cheia de atividades! O evento contou com espaços para as turmas apresentarem seus livros coletivos, compra e troca de livros e gibis, contação de histórias, leituras dramáticas pelos 5º anos

Leia Mais

Alunos e alunas vivenciam uma visita à Feira

A nutricionista Graziela Carrão, responsável pelo Setor de Alimentação e Nutrição da Escola Trilhas, realizou uma atividade com as turmas do Infantil V para enriquecer as conversas sobre o projeto que este nível desenvolverá no Simpósio Criança, Mídia e Consumo: ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. A ideia de “ir à feira com a Grazi” foi para criar uma

Leia Mais

Atenção! o Tamanduá-Bandeira corre risco de extinção.

As turmas dos infantil VI (Peixe Boi e Tamanduá-Bandeira) estão investigando animais que correm risco de extinção. Acompanhe abaixo o texto coletivo produzido pelas crianças, com a ajuda das Professoras Renata e Karen. “Você conhece o Tamanduá-Bandeira? Ele é um mamífero que vive no cerrado e se camufla nos matos maiores. E mesmo conseguindo se

Leia Mais