Brasil é um dos países com mais mortes infantis no trânsito

Pesquisa comparou dados sobre mortes e uso das cadeirinhas em países da América Latina e Caribe

Marcela Bourroul

Aqui no Brasil, muito se falou nos últimos anos sobre a instalação de cadeirinhas nos carros, principalmente depois que a lei que regulamenta seu uso entrou em vigor em 2010. Uma pesquisa realizada pela Fundação Mapfre, divulgada nesta semana, avaliou a situação das mortes de crianças no trânsito e o uso das cadeirinhas em diversos países da América Latina e Caribe. O levantamento concluiu que o Brasil e o México são os países onde mais crianças morrem anualmente nas ruas e estradas.

LEIA TAMBÉM: A importância do uso da cadeirinha

Em 2009, 1.550 crianças morreram no Brasil, contra 564 na Argentina e 21 em Portugal. Em números relativos, a taxa não é tão alta (32 mortes no trânsito por 1 milhão de habitantes, contra 56 na Argentina), mas em números absolutos o país é campeão. Outro estudo, da ONG Criança Segura, aponta que esse tipo de acidente é a principal causa de morte em menores de 15 anos aqui no país.

Apesar dos números pessimistas, o Brasil aparece na lista como um dos países com bons exemplos de campanhas que incentivam o uso da cadeirinha e a melhor legislação em relação ao acessório. Apenas Costa Rica tem uma legislação igualmente boa. O problema é que no quesito fiscalização, nós ainda temos muito a avançar.

LEIA TAMBÉM: Sua casa esconde alguns perigos para as crianças

Vale lembrar que o bebê conforto, a cadeirinha e o assento de elevação são equipamentos obrigatórios para o transporte de crianças de até 7 anos e meio desde setembro de 2010 pela Resolução 277 do Contran – Conselho Nacional de Trânsito. Em pouco mais de um ano de lei, a cadeirinha já reduziu mais de 40% das mortes de crianças com até 7 anos em acidentes de carro no Brasil, segundo a Polícia Rodoviária Federal.

Apesar desse benefício, elas não são populares. E por quê? As crianças querem imitar os adultos e insistem em sentar soltas no banco do carro, apesar de precisarem de um booster (assento elevatório). E, na hora de viajar, elas reclamam do trajeto longo. “É o momento de lembrar que a cadeirinha não é um brinquedo que pode ser negociado. Nada de combinações do tipo usar apenas na metade da viagem ou de trocá-la para dar lugar a outra pessoa”, diz Luciana O´Reilly, coordenadora nacional da ONG Criança Segura.

FONTE: Revista Crescer

 

Related posts

Escolas começam a enfrentar déficit de natureza das crianças

Se alguma escola ainda tem grama sintética no parquinho é melhor arrancá-la imediatamente. Está tudo errado nessa ideia meio anos 1980 de se construir um ambiente artificial para que a criança não se suje enquanto brinca no intervalo. Primeiro, porque a brincadeira no pátio não é vista mais apenas como algo que o aluno faz

Leia Mais

Todas as escolas públicas de Nova York aderem à Segunda Sem Carne

Já está mais do que comprovado pela ciência de que uma das melhores maneiras de ajudarmos o meio ambiente éreduzir o consumo de carneou abraçar de vez a dieta vegetariana. Especialistas dizem que reduzir o consumo de carne vermelha é mais eficaz contragases do efeito estufado que deixar de andar de carro. Foi pensando nisso

Leia Mais